Cada um é como é e eu adoro aprender. Adoro o que faço e sinto-me como peixe na água neste tipo de eventos, como o Inbounder Global em Madrid ou a Web Summit em Lisboa. Da teoria à prática, é o desafio que se segue.

É bom sentir que não estamos sozinhos.

É bom sentir que existe um espaço relativamente perto de nós, portugueses, onde se fala de Estratégia de Conteúdos ao mais alto nível.

É bom sentir que existem muitas mulheres a dar cartas em áreas muito técnicas do Marketing Digital, com apresentações espetaculares. Afinal existem role models para as gerações futuras.

É bom sentir que temos muito mais para dar ao mundo e que precisamos de atrair mais pessoas e clientes para estratégias de Marketing mais consistentes.

É bom sentir que temos humildade para saber que os tempos evoluem e o que faz sentido hoje não se aplicará amanhã.

De volta à realidade

Como a edição deste ano do Inbounder Global chegou ao fim, é preciso refletir e perceber o que ganhei com dois dias intensos de inspiração.

Venho com a convicção de que manter uma atitude de curiosidade, aprendizagem e de teste constante requer tempo.

Não existem verdades universais em marketing digital e é preciso estudar cada caso.

Temos de valorizar o nosso tempo e escolher bem as causas que abraçamos, para conseguirmos fazer a diferença de forma mais expressiva.

É por isso que ao regressar ao trabalho devíamos incorporar na nossa rotina alguns fragmentos de aprendizagem. É como ir a um curso e voltar para casa e fazer tudo rigorosamente igual. É mais frequente do que desejamos.

«O que é isso dos conteúdos?»

Na maior parte das vezes, o meu dia-a-dia é passado a defender a necessidade de criar conteúdos nas suas formas mais básicas… Todos aprendemos a escrever a partir dos seis anos, certo?

Comunicar o seu negócio através dos conteúdos é muito mais do que isso.

Há tantos elementos que podemos conjugar, tantas cores que podemos usar e não arriscamos na maior parte das vezes. Como fazer omoletes sem ovos? Não dá!

Durante dois dias estive com pessoas que partilham as mesmas preocupações que eu.

Agora cabe-me colocar em prática o que ouvi e filtrei como sendo importante: Como posso contribuir para tornar o processo de gestão e produção de conteúdos mais simples, para que mais pessoas possam aderir?

Como posso ser mais eficiente a passar a mensagem? Digo para mim que a resposta é: entrega-te à tua causa tal como fazes para os clientes e torna-te um laboratório vivo daquilo em que acreditas.