Tem muito que se lhe diga, a vida de empreendedor. A realidade portuguesa é muito diferente da norte-americana, especialmente se anda a ver muitos episódios do Shark Tank (como eu). Deixo-vos 5 ideias-chave que resumi na minha experiência desde que me tornei empresária, em 2013.

Muito se fala em empreendedorismo. Há debates, concursos de ideias, incubadoras de empresas… Quem quer abrir um negócio tem atualmente muita informação disponível. Mas até que ponto está preparado para o que aí vem? O dia-a-dia de uma empresa reserva-nos muitas surpresas. Em Portugal, temos de lidar com muita burocracia, mas ainda assim já esteve pior.

Portugal não é só Lisboa e Porto e o resto é paisagem. Seria interessante ter mais empresas tecnológicas no interior do país, uma forma de combater a desertificação. Temos pessoas de muito valor por todo o lado e com a Internet podemos abrir e gerir uma empresa em qualquer lugar. Nós não precisamos de ir para um país distante para usufruir de um excelente clima e qualidade de vida. Nós já cá estamos, em Portugal!

O problema é que nem sempre a Net ou a rede de telemóvel é a melhor, mas enfim… O objetivo destas palavras não é ser pessimista. É apenas alertar.

Rodeie-se de bons profissionais

Todos precisamos de ajuda e a necessidade obriga-nos a fazer muitas coisas diferentes e em simultâneo. Contudo, não há nada melhor do que poder delegar aquelas tarefas nas quais não temos formação nem somos bons. Estou a falar de advogados, contabilistas, consultores de Marketing, designers, informáticos, programadores, etc. Procure profissionais qualificados  e que também tenham padrões de ética elevados. O melhor é mesmo trabalhar com boas pessoas. A vida é demasiado curta para trabalhar com pessoas tóxicas.

Atraia bons clientes

Pense bem na persona do seu negócio (buyer persona) e crie os seus conteúdos em função das suas necessidades e dores e procure atrair pessoas que partilham da mesma visão e dos mesmos valores defendidos pela sua empresa. Clientes é aquilo de que o negócio mais precisa, mas se logo ao início tem o azar de angariar clientes que depois se revelam maus pagadores, o que fazer? O tempo investido num projecto é impossível de recuperar, assim como o desassossego que isso provoca. Quando se começa é difícil ter o discernimento para recusar trabalho, mas com o tempo vamos percebendo onde é que as nossas capacidades vão ser melhor aplicadas e vamos criando o nosso portefólio de serviços/produtos.

Tenha um espaço adequado

Nem sempre é possível arrancar num escritório com as condições ideais. Muitos negócios começam em casa, na mesa da cozinha ou num home office. Mais cedo ou mais tarde vai levantar-se a questão de impôr limites entre o espaço pessoal e profissional. Na minha opinião o ideal é trabalhar perto de casa, se possível sem ter de se deslocar de carro. O seu local de trabalho deve ser inspirador e flexível, porque é lá que provavelmente vai passar muito tempo a criar novas formas de fazer a empresa crescer. Com o evoluir do negócio, esse espaço deverá acolher a sua equipa, dotando-a das condições necessárias para tornar o trabalho mais produtivo e criativo.

Contas em dia

Um estilo de vida de empreendedor tem pouco de glamoroso no início. Além do acompanhamento do contabilista, é importante que nunca perca a noção do pulsar da empresa. O ideal é ter dashboards atualizados (sonho um bocado com isso, eu sei) mas um ficheiro excel já é excelente. Quantas vezes ouço falar de pessoas que não têm a mínima ideia de como está o seu cashflow… E garanto-vos, vai ser muito desafiante o equilíbrio entre cortar despesas e fazer os investimentos necessários para fazer avançar o negócio.

Automatize aquilo que for possível

Avalie as suas tarefas do dia-a-dia e veja o que lhe ocupa mais tempo. Pode automatizar algumas funções? Em algum ponto do negócio vai ter de aprender a delegar com eficiência ou a criar por workflows que façam sentido para o seu negócio. O Marketing é uma das áreas que mais tem avançado na automação mas não se iludam. Sem uma estratégia sólida e o toque pessoal do fundador, os automatismos podem jogar contra nós.

Conclusão, 

O empreendedorismo é um estilo de vida, mais do que ter um negócio.

É preciso ter estofo e criatividade para ultrapassar os desafios. As vantagens, contudo, são muito compensadoras. Se eu soubesse há 3 anos o que sei hoje, provavelmente tinha feito as coisas de outra maneira. Para começar, não devia ter começado a empresa em Setembro mas sim em Janeiro…

(artigo publicado a 22/06/2016 e atualizado a 3/06/2017)